Afinal…o que é a Parentalidade Consciente?

A primeira vez que ouvi falar sobre Parentalidade Consciente foi em 2015, pela Mia (Mikaela Övén), e fiquei encantada. Ainda não sendo mãe, o fascínio pela forma como a Parentalidade Consciente aborda as relações humanas, principalmente entre pais e filhos levou-me a ver que existem alternativas ao modelo “tradicional”.

Não precisa de existir uma figura de autoridade, todos podem ter o mesmo valor. A obediência dá lugar à colaboração. E tudo isto de forma a promover o respeito e o bem-estar de cada membro da família.Como Psicóloga Social senti que era a peça-chave que completa o puzzle no acompanhamento de mães e famílias. Tudo o que é falado, desde as intenções, às necessidades, aos limites, à autoestima saudável, aos vínculos, à comunicação consciente, à prática de mindfulness e muitas outras, encaixaram-se na perfeição na minha vivência pessoal.

É como se despertasse dentro de mim, em todas as minhas células, aquilo que para mim representa a família, a maternidade e a parentalidade.São muitos os pais que partilham comigo que algo não está bem na relação que têm com os seus filhos. Estão exaustos…dizem-me a palmada dói-lhes a eles; os castigos não lhes fazem sentido; as birras são constantes; as lutas são diárias.

Não querem cometer os mesmos erros que os seus pais. Acima de tudo, querem estar mais conectados com os seus filhos. E isto é o início para começar a encontrar na Parentalidade Consciente as respostas.A Parentalidade Consciente não se vê, sente-se. É uma forma de estarmos na vida que requer muita coragem e escuta ativa da nossa intuição. E é uma escolha.As famílias que optam por seguir este estilo de vida sabem que vão percorrer um caminho que não tem receitas, não tem fórmulas mágicas, nem técnicas infalíveis. Mas é um caminho que constrói relações ainda mais saudáveis entre todos.Para percorremos este caminho, precisamos de saber que o principal foco é a relação que estamos a construir dia após dia com os nossos filhos. Para isso, praticamos Mindfulness.

A prática de Mindfulness, traduzido como atenção plena, tem estado bastante em voga. Quando falamos de Mindfulness em Parentalidade Consciente, falamos de pequenas práticas informais, como por exemplo estar presente quando:

  • estamos a escovar os dentes, a tomar banho ou a comer;
  • quando os nossos filhos estão a falar connosco;
  • quando os nossos filhos nos estão a abraçar;
  • etc.

Estar presente conscientemente implica que os nossos cinco sentidos estejam todos ativos naquele preciso momento, no aqui e no agora.A Parentalidade Consciente vê a criança como parte integrante do círculo familiar e não no centro das atenções. Isto significa que as necessidades de todos têm o mesmo valor. Para conhecermos as necessidades precisamos de ativar o detective em nós.

Quando ainda são bebés ainda praticamos muito a arte da adivinhação, mas com o tempo e com a observação plena vamos cada vez mais conhecendo os nossos filhos. Reconhecer as necessidades é a chave da relação.

Quando uma criança faz uma birra, o comportamento birra é a solução encontrada para demonstrar que existe uma insatisfação de uma ou mais necessidades. Podemos começar pela fome, pelo sono/cansaço, pela higiene, e depois destas satisfeitas e caso o comportamento continue, perceber se é uma necessidade de segurança, de conexão ou outra. Neste momento, lembrarmo-nos de qual é a nossa intenção faz maravilhas.Confia em ti. Confia que seguindo os valores da Parentalidade Consciente vais sentir-te ainda mais segura e confiante enquanto mãe. Lembra-te que tu és a pessoa que mais conhece o teu filho e que quanto mais estás na relação, no aqui e no agora, mais o vais conhecer. Mais se vão conhecendo os dois. E isso sim, é natural.

Cátia Dias, Psicóloga e Facilitadora de Parentalidade Consciente. Fica a saber mais em www.catiapereiradias.com

1 Comentário

  1. […] meu entender, a Parentalidade Consciente tem muitos benefícios em começar ainda antes de sermos pais. Permite-nos estarmos alinhados […]

Comentários estão fechados.