Quando começa a Parentalidade Consciente?

No meu entender, a Parentalidade Consciente tem muitos benefícios em começar ainda antes de sermos pais. Permite-nos estarmos alinhados enquanto casal e mais conscientes do que queremos durante a gravidez e nos primeiros anos de vida do bebé.

Podemos começar em qualquer momento da nossa vida, começando por responder às perguntas:

  • “Que pais queremos ser?” e
  • “O que é importante para mim e para a minha família?”

Estas questões podem ser aplicadas em qualquer contexto da nossa vida.Uma vez que a Parentalidade Consciente não é algo que se vê mas sim que se sente, falar de resultados e benefícios pode ser redutor da sua experiência. Cada casal, cada mãe e cada pai vão ver na sua vida determinadas consequências naturais deste caminho.

Alguns exemplos dos benefícios e consequências da Parentalidade Consciente são:

  • Sermos os pais que queremos ser, resultante de um maior alinhamento interno;
  • Promover a vinculação segura com os nossos filhos;
  • Abrandar o ritmo, o que nos permite conhecer, cada vez melhor, os nossos filhos e estarmos presentes nos momentos mais importantes das suas vidas;
  • Mais paciência e tranquilidade;
  • Reduzir a nossa reatividade, começando a responder a partir de um lugar calmo e tranquilo e promovendo uma atitude mais proativa e de detective emocional;
  • Mais conhecedores das emoções dos nossos filhos;
  • Fomentamos uma auto-estima mais saudável: a nossa e a dos nossos filhos;
  • Mais harmonia e equilíbrio familiar;
  • Entre outros!

Não existe uma forma certa de como começar na Parentalidade Consciente, a forma é mesmo começar!

Deixo algumas notas e dicas, sendo que a primeira é aquela que referimos como ponto de partida (que pode ser em qualquer área da nossa vida), a chamada nossa intenção.Escreve as tuas intenções como mãe e como pai, partilhem-nas entre o casal e coloquem-nas num lugar bem especial e visível. Elas vão ser as vossas estrelas-guia ao longo do caminho, principalmente quando vão querer ter mais clareza, mais paciência, mais calma e até quando queremos tomar uma decisão importante.

Devem conseguir dedicar  tempo para escreverem as vossas intenções, num lugar sossegado, sem confusão e investindo o tempo necessário. Ao fim de um tempo, podem revê-las, sabendo que é um caminho em construção.

Para te auxiliar na escrita das tuas intenções, responde às seguintes perguntas:

  1. Como te queres sentir?
  2. Como queres que os teus filhos te descrevam quando eles tiverem 20 anos?

Li noutro dia esta frase que adoro:

“A cura para um bebé exigente passa por mais descanso para a mãe.”

Sabemos que os dois primeiros anos são extremamente exigentes e que acabamos por nos esquecer de nós. São as horas sem dormir, são as idas a casa de banho acompanhadas, é o choro, a amamentação…tudo é uma novidade para nós, mesmo que seja o segundo filho!

A importância do automimo e do autocuidado é fundamental para satisfazermos as nossas necessidades e chegarmos a casa com as pilhas renovadas. Não é necessário muito tempo: é apenas necessário ser feito.

Os primeiros anos são extremamente importantes no desenvolvimento da criança e da relação que estabelecemos com ela. Se estivermos exaustos, vamos ter eventualmente menos paciência, estaremos mais reactivos e menos proativos! Vamos criar o movimento automimo: cuida mais de ti!Os momentos de pausa ao longo do dia são muito importantes, em qualquer área da nossa vida. Implica que encontremos uns minutos, várias vezes ao longo do dia, só para estar, só para respirar ou a fazer algo que gostamos.

Momentos de pausa levam-nos a ser mais proativos e menos reativos. Dão-nos mais clareza sobre a nossa Parentalidade. São a solução perfeita para o ponto anterior do automimo!E por fim, uma dica que dou a todos os pais: cuidem da vossa relação, namorem, encontrem momentos juntos, mesmo no meio da exaustão.

Quando foi a última vez que saíram juntos? Ou que tiveram um jantar romântico?

Deixo-vos a pergunta: como podemos criar vínculos saudáveis, se enquanto a casal não existe harmonia e cooperação?Espero que estas linhas te inspirem a começar este caminho. Quando ao longo do caminho, pensares que não está a resultar, olha para as tuas intenções e lembra-te que estás a fazer o melhor que consegues.

Cátia Dias, Psicóloga e Facilitadora de Parentalidade Consciente. Fica a saber mais em www.catiapereiradias.com